sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

Sinal de vida

Hoje me bateu uma vontade de escrever. Acho que eu só escrevo quando tem alguma coisa "errada" (entre aspas pela falta de léxico melhor), porque apesar de eu estar inacreditavelmente bem - e bem mesmo, não da boca pra fora só pelo conforto dos outros - é inaceitável dizer que eu não sinto a sua falta. Mas isso é tão natural e esperado, que eu não me sinto mal nem envergonhada por sentir, então não tem mesmo nada errado mas talvez devesse ter. O fato de estar tudo bem apesar de tudo, é tão certo que me incomoda um pouco. Deveria ser errado, não? Não me entenda mal, não tenho a intenção de ser cruel. É só que isso foi tão certo.. Eu deveria ter tido a coragem e o desapego pra ter feito quando achei que deveria. Mas isso não quer dizer também que eu não vá sentir saudade, estou tão acostumada com você. A gente devia mesmo voltar a ser como antes, bem antes, antes de toda essa nossa história louca. Isso sim daria certo pra sempre. Amigos.

Acho que não levo mais jeito pra essa coisa de escrever bonito. Poesia vem da tristeza da gente. Até que enfim a minha poesia passou!

sábado, 8 de janeiro de 2011

Remember that one time?

"Seus olhos são exatamente da mesma cor dos azulejos da cozinha.", foi a primeira coisa que ela falou quando eles se encontram, depois de tanto tempo. Eles se abraçaram e rodopiaram no lugar, explodindo de milhões de coisas tão ao mesmo tempo.. Isadora tinha um cheiro diferente agora, mais até do que a aparência. Antes, ela cheirava a lençol e baunilha, com uma nota dele, Miguel, ao fundo. Agora, o cheiro dela era de mar, de massa de bolo e perfume caro. Só, sem nota de Miguel ou qualquer outra pessoa ao fundo.
"Lembra quando eu te disse isso? Dos teus olhos?", ela perguntou enquanto o arrastava pela mão pra qualquer lugar.
"É, eu lembro sim.. Nunca entendi o que você quis dizer com isso, Isa. Os azulejos da nossa cozinha era amarelos.", foi a resposta. Isadora riu de leve e penteou os cabelos dele com os dedos, como costumava fazer antes.
"Você não entende tanta coisa.." e eles partiram.